top of page

15 itens encontrados para ""

  • Território do Corpo | Leonardo Rodrigues

    Corpo Território Praticando o ato de dançar juntos ​ Uma dança reflexiva ojecto que engloba entrevistas, workshops e imagens. ​ A dança está diretamente ligada ao corpo, que desempenha um papel significativo na forma como as pessoas experienciam outros corpos e lugares – o seu t erros. O projeto visa ampliar as noções voltadas para o Corpo. O ponto de partida para este projeto surge de uma curiosidade pessoal por uma compreensão mais profunda do Corpo e, consequentemente, pelo aumento da percepção e relação com outros corpos. ​ ​ O que está contido no corpo além do que podemos ver e conhecer? Passando a esta questão, surgem alguns conceitos relativos ao território do corpo material e imaterial – movimentos, expressões, desejos e sonhos. Na prática, interagimos pelo toque, mapeando o corpo, observando como nos relacionamos uns com os outros, e usamos a dança para desvendar as camadas invisíveis do corpo – a imaginação. O título Território do corpo é inspirado na poesia do ator Alex Melo que colaborou como pesquisador na primeira etapa da exploração do movimento. A junção das duas palavras era, na época, uma referência a um corpo de grande apreço e cuidado.​ Território corporal não poderia ser melhor termo para fazer a ponte com as práticas de dança que proponho, situadas na dimensão sensual do corpo. ​ Território Corporal Território como ocupação. Território como comunicação! Rua, olhe, atravesse, atravesse o território. Laroyê! Território conquistado, domado, arado, território fértil. Território minado, território amado, território odiado, território apropriado. Respirar no espaço do território. Território dando origem a ecos. Fragmentos de memórias, histórias, ossos, carne, sangue, suor e saliva... Saliva e suor, suor e saliva. O negro, o indígena, o branco... Aquele que você ainda nem conhece. Brotando no batuque, no catuque, na quizomba, e na quizila de se inventar. Pertencendo. Ser um corpo em um território, um corpo como um território. O território do corpo Alex Mello Por que o uso da dança para este projeto? A dança pode trazer plena consciência de um corpo com muitas maneiras de praticá-lo. No momento, pretendo fortalecer a consciência sensorial, com foco nos corpos. As sensações podem transformar as qualidades do movimento e o estado de ser de uma pessoa. Os sentidos são como fontes que alimentam as necessidades do corpo, impulsionando os movimentos e um receptáculo para permitir que o corpo se expresse no mundo. ​ ​Este projeto afirma que a mente e suas associações com as racionalidades, como as teóricas, devem estar conectadas com o corpo e suas associações com a irracionalidade e o movimento sensorial. Video edition and narration: Alex Mello Gefördert durch die Beauftragte der Bundesregierung für Kultur und Medien im Programm NEUSTART KULTUR, Hilfsprogramm DIS-TANZEN des DachverbandTanz Deutschland.

  • Rzouga | LRS | Body Territory

    O Dualismo Mente/Corpo Uma perspectiva sobre os limites do corpo e as narrativas culturais Uma entrevista com Rzouga Selmi sobre o tema Body Territory - 11 de janeiro de 2023 Na terceira entrevista no Body Territory, Rzouga Selmi, também conhecido como Shayama AlQueer, refugiado queer da Tunísia, ativista, dragqueen e DJ, revela sua perspectiva sobre os limites do corpo e sua narrativa cultural., revela sua perspectiva sobre os limites do corpo e sua narrativa cultural trazendo em questão se é possível separar corpos e espaços? O que vem à sua mente quando você ouve as palavras Corpo e Território? Eu posso ouvi-los juntos, território corporal no sentido de que a primeira coisa que tocará meus sinos seria o espaço pessoal. Esse é o tempo do "eu" e o quão perto eu deixo as pessoas se aproximarem, seja emocionalmente ou fisicamente. Sou uma pessoa que cultua a aura de todos e a minha aura. De certa forma, como toda energia que irradia de mim, também a considero em seu aspecto físico. Então para você invadir meu espaço, e meu corpo nem sempre tem o que fazer, necessariamente, com me tocar ou me abraçar quando eu não esperava, ou coisas assim. Também consegue visualizar a presença, digamos, espiritual ou virtual das pessoas. É tão forte em minha mente que a ideia que visualizo também é material. ​ Essa é a primeira coisa que diz que meu corpo é garantido. Claro, eu sentiria quando você me tocasse. Eu sentiria quando você fizesse algo no meu corpo. E também vou sentir quando você tramar ou pensar em fazer algo de bom para o meu corpo ou não; e o espaço pessoal, como não, não entre no meu espaço e entre na minha energia; não entre na minha zona; você pode nomeá-lo um monte de coisas. Mas essa é uma das primeiras coisas que me passa pela cabeça que posso desenvolver a partir daí como pensamento. E então, é claro, há a ideia de território por si só, que também pode se relacionar com o sentimento de lar, um sentimento de lar em nós. Mas também posso discutir, ou posso dizer que o lar não é necessariamente físico e o que são fronteiras de territórios. A terra também pode ser o lugar que você pode chamar de lar se se sentir confortável ou se acostumar ou disser ao seu cérebro para considerar isso, por enquanto, ou um lar vitalício ou vitalício. ​ Você está abordando conceitos de limites e espaço pessoal. Você até descreve a presença espiritual de outros corpos e sua capacidade de materializar essa presença. Como a materialização dessa presença afeta seu corpo? Também é quando as pessoas planejam coisas ruins para mim ou as pessoas estão sendo tóxicas ao meu redor que às vezes posso me sentir mal. É também minha energia, minha espiritualidade e também meus nervos. Então, se você está destruindo meus nervos, isso significa que você está fazendo algo com meu corpo. Se não estiver na boa direção, vai me irritar, e parece que está atravessando meu corpo. ​ Como evoluiu sua compreensão do espaço pessoal ao longo dos anos em que viveu no exterior, considerando aspectos de temporalidade e percepção geográfica? Trouxe uma compreensão diferente, como ser de um cruzamento ou mudança de culturas, viajar de um país para outro ou estar baseado em outros espaços dá a você uma compreensão diferente do espaço pessoal; crescendo, as pessoas entendiam o espaço físico apenas quando incomodava. Mas é da perspectiva deles. ​ Cresça em uma família onde você também pode abraçar para demonstrar amor, mesmo que a pessoa não esteja chateada ou algo assim, mas a pessoa queira seu espaço pessoal. Ainda achamos que não há problema em nos permitir ir e abraçar a pessoa para confortá-la. Mas eles entendem que pode ser invasivo ou algo assim. Então existe o mesmo caminho, mas apenas as pessoas respeitam o espaço pessoal e a privacidade da pessoa. Algumas pessoas não, também aqui na Europa. ​ Existem lugares onde as pessoas têm mais acessibilidade aos conceitos de conscientização e tudo mais, mas as pessoas ainda voltam para sua perspectiva. Então você encontra muitas pessoas aqui onde elas podem sentir que não há problema em tocar seu rosto ou no cabelo de uma pessoa dizendo: - sim, sim, eu sei que não é prejudicial, ou sei que é prejudicial, mas não é tão prejudicial.–Eu sei w que você tolera. Então eles começam a assumir que sua compreensão de privacidade é o que se aplica a mim, meu corpo e meu espaço. Acontece quando deixamos de pensar no que a outra pessoa pensa porque temos outros aspectos de limites onde as pessoas estão tentando ultrapassá-los. É uma questão de não precisar pisar e estar no lugar dos outros, mas também dizer, ok, deixe-me pensar como talvez os sapatos se sentiriam no sentido de que as pessoas deveriam recuar antes do primeiro abraço e perguntar ou pensar se não há problema em abraçar ou se está tudo bem em perguntar. É como uma ideia terrível e cuidadosa de estabelecer limites, fronteiras e diferenças entre onde eu estava e onde estou hoje. ​ Em suas respostas, os elementos de presença e energia desempenham um papel crucial como agentes na construção do território. Como você perceberia esses elementos que constituem o seu território? ​ Seria necessário mais ou menos para você também – energia e presença, para que as pessoas entendessem que existe um espaço e limites a serem respeitados. É com energia que começo a irradiar a sensação de não querer ser abordado. Então existe uma energia que você produz dentro, uma determinação: eu diria que você projetou para fora do seu corpo e essa entrega da energia é a presença que você precisa. Ele vem e vai. As pessoas devem treinar muito para isso, porque você não pode sentar e dizer: eu tenho meus limites. ​ Eu tenho meu espaço físico. Eu tenho meus limites para mim e para os outros, mas não sendo, trabalhando para respeitá-los eu mesmo e tentando educar ou forçar as pessoas, se assim podemos dizer, a respeitar seus limites. Há algum sentimento degradante nisso. Lá será considerado como se a pessoa não estivesse presente. E não se trata de ser extrovertido; não é sobre comunicar, não é sobre falar, não é passar a mensagem que você não quer ser. ​ Portanto, não precisa, não exige que você ou, não exige que ninguém seja franco e barulhento ou algo assim. Porque eu também tenho essa falsa conclusão sobre pessoas introvertidas ou pessoas que não se comunicam bem ou não transmitem bem as mensagens, sejam elas pessoas fracas, e por isso seus limites não são aceitos. Mas também há o mínimo que as pessoas podem fazer para que outras pessoas entendam seu espaço pessoal. Os limites também são um elemento considerável de espaço e limites pessoais, autolimites e auto-respeito e respeito. Suponha que as pessoas continuem pressionando você a exceder seus limites e a ultrapassar seus limites. Às vezes é desafiador e aventureiro, mas às vezes leva as pessoas a não serem quem são ou algo assim. Isso também não é a coisa mais respeitosa a se fazer. ​ Você está confiante de que as pessoas não sabem que estão ultrapassando os limites individuais. Como você reflete sobre esses aspectos quando personaliza dois personagens? Quem precisa negociar mais sua presença no espaço, você ou sua drag Shayma? Shayma requer muito mais espaço, mas não peça tanto espaço. Está dado. Eu sabia que meus limites pessoais e privados seriam como um Zhouga porque Shama é mais social; é o trabalho dela. É muito aberto e mais sorridente do que Zhouga. Mas há esse elemento de diva no meu personagem drag que as pessoas entendem mais limites do que eu esperava. Porque com Shayma, há uma vasta presença de energia, atitude e confiança. ​ Eu jogo no feminino ou na ilusão. Então meu arrasto é um arrasto. Existe, você pode, você pode identificar parte do arrasto. O que significa que estou lá para ser uma drag queen; Estou lá para ser um ator. Estou lá para ser um personagem. Eu estou lá para servir uma imagem. A imagem de algo que inspira muito nas mulheres inspira muito nas trabalhadoras do sexo e nas minorias. Todas as coisas que, se não sou como Zhouga, costumava ser e fiz. As pessoas se sentirem intimidadas pela minha presença ou algo assim não é invasivo. É apenas feroz, e estou lisonjeado. Eu sou mais liso. Obrigado por entender isso ou oferecer todo esse espaço para a Diva que estou apresentando na sua frente, mas não exijo isso. Estará lá, no entanto. Impressão A entrevista de Rzouga reflete sobre a dualidade de personagens, uma drag personalizada como mulher e um corpo queer vivendo no sudoeste da Alemanha em Baden-Württemberg. Esse corpo-arrasta e corpo-refugiado transitam no espaço e no tempo; expande sua noção de como corpo e espaços são socialmente construídos e não são separáveis (Longhurst, 2001). Além disso, Zhrouga traz ideias e conceitos valiosos sobre como viver juntos em sociedade. Trazer à visibilidade o que primeiro não é visto pelos olhos – os limites do corpo denominados pelo estado de espírito. A entrevista demonstra como as condições do sistema, como nervosismo, suposição cultural de permissão de espaço e aspectos da intimidade, desempenham um papel crucial na compreensão do espaço pessoal. Bibliografia: ​ Longhurst, Toby. Corpos explorando fronteiras fluidas, Routledge , Londres, 2001. ​ Echeverri, J. A. Território como corpo e território como natureza: diálogo intercultural? Em A. Surrallés & P. García-Hierro (Eds.), A Terra Dentro: Território indígena e a percepção do meio ambiente, Copenhague: IWGIA, 2005. ​ Sara Smith, Nathan W Swanson e Banu Gökarıksel. Território, corpos e fronteiras. Departamento de Geografia, Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, Chapel Hill, NC 27599-3220, EUA, 2015. Rodaway, Paul. Geografias Sensuais, corpo, sentido e lugar. Routledge, 1994. Leonardo Rodrigues Santos Educadora de dança, performer e pesquisadora residente em Mannheim. Por favor, compartilhe seus pensamentos e ideias Correspondência Gefördert durch die Beauftragte der Bundesregierung für Kultur und Medien im Programm NEUSTART KULTUR, Hilfsprogramm DIS-TANZEN des DachverbandTanz Deutschland.

  • Migrating Spaces | Leonardo Rodrigues

    Acerca de Migrando espaços Leonardo nasceu em Salvador da Bahia, Brasil. Crescer em uma atmosfera de história mística e conhecimento inspirado para interagir com o mundo através da dança. A complexidade da educação infantil na América do Sul levou o interesse de Leonardo em várias direções e é a base da minha complexa identidade artística. ​ ​ Carreira como bailarino e criador de dança: O artista entrou em sua primeira companhia internacional de dança em Salvador da Bahia em 97 no Balé do Teatro Castro Alves onde trabahou com renomados coreógrafos contemporâneos com sucedidas turnês internacionais na Alemanha, Ásia, Oriente Médio e América do Sul (Brasil) no final dos anos 90. Em 2002, Leonardo decidiu se mudar para Graz, na Áustria, onde trabalharam para a Ópera Graz . ​ Leonardo encontrou Daniela Kurz juntando-se à equipe do Tanztheater Nürnberg . Na cidade da Francônia Oriental, o interesse naquele era na fusão da dança, teatro e política. Consequentemente, sua atenção foi atraída para o campo da educação e performance em dança, estabelecendo-se como artista freelancer em 2009 criando peças para o Staatstheater Nürnberg , o Neues Museum Nürnberg e festivais de dança no Brasil. Algumas colaborações envolveram o Théâtre National de l'Opéra Comique em Paris, Grand Théâtre de Genève, Staatstheater Berlin, Staatstheater Darmstadt e Projetos Steptext em Brema. Além disso, Leonardo trabalhou e realizou produções dirigidas por Yoshi Oida ex-membro da empresa Peter Brook. Leonardo inspirou-se em coreógrafos como Rui Horta, Javier de Frutos, Stijn Celis, André Gingras, Rodolfo Leoni, Jorma Elo, Lionel Hoche, Jorge Silva, Luiz Arrieta, Jonathan Lunn e Jean Renshaw. ​ Leonardo colaborou intensamente com dança do casulo como assistente coreográfica, pesquisando criações e co-dirigindo a Junior Company em Bonn. Enquanto isso, o artista se apresentou para Paula Rosolen/Haptic Hide em Frankfurt e Tóquio e residência Marcelo Evelin/Demolition Incorporada em Teresina/Brasil. Em fevereiro de 2019, Leonardo começou a cooperar com Iván Pérez como diretor de ensaio e assistente coreográfico para o Teatro de dança Heidelberg . ​ Desde 2021, Leonardo continua seu crescente interesse em desenvolver seus trabalhos pessoais e colaborações, incluindo uma residência com Laura Hicks e suporte de produção e parceria para projetos com a empresa Interações e Centro de Migração Heidelberg . ​ ​ divulgação da dança Com o objetivo de se desenvolver artisticamente, Leonardo completou um Master of Arts in Contemporary Dance Education no programa MA CoDE na Frankfurt University of Music and Performing Arts com várias bolsas de estudo. Meu projeto de estudo final foi uma dissertação que procurava investigar como as mudanças no mercado de trabalho afetam os programas de ensino superior de dança na Alemanha. ​ Como instrutor de dança, Leonardo se concentra fortemente em abordagens somáticas, técnicas de liberação e alinhamento corporal enquanto desenvolve suas aulas através do ensino de grupos-alvo ecléticos. Também ministrou treinamento profissional na Mousonturm em Frankfurt, ZAIK em Colônia, na DOCH – Escola de Dança e Circo da Stockholm University of Arts, North Karelia College Outokumpu, Finlândia, e na Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), Brasil. ​ ​ ​ ​ MA Educação em Dança Efeitos das Mudanças no Mercado de Trabalho na Educação Profissional em Dança Um estudo de caso Por Leonardo Rodrigues Santos ​ Abstrato Desenvolvendo-se em conjunto com a UE e as reformas de Bolonha, o sistema de ensino profissional de dança na Alemanha está claramente conectado ao campo que pretende servir, pois prepara os alunos para se tornarem dançarinos profissionais. A dissertação de Leonardo busca indagar como as mudanças no mercado de trabalho afetam os programas de ensino superior profissional em dança na Alemanha. As mudanças já são perceptíveis nos estágios iniciais dos estudos de BA, e, portanto, esse é o foco desta pesquisa. Olhando para o apoio financeiro para as indústrias culturais e criativas e seus efeitos no mercado alemão, a pesquisa examina os efeitos pragmáticos em dois programas de dança - o BAtanz\ZuKT na Universidade de Música e Artes Cênicas de Frankfurt (HfMDK Frankfurt) e o BA em Dança, Contexto e Coreografia no Inter-University Centre for Dance Berlin (HZT) — realizando entrevistas não só com profissionais do mercado de trabalho, mas também com educadores e alunos dos dois cursos. Ao avaliar os programas em relação aos parâmetros de mercado, este estudo examina como temas como empregabilidade, networking e empreendedorismo estão incluídos no discurso educacional de ambos os programas. ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​

  • Privacy Policy | Leonardo Rodrigues

    Impresssum Leonardo Rodrigues Santos U2, 1A 68161 Mannheim Germany Phone: +491789302249 Email: leonardo.rodrigues.santos.lrs@gmail.com Website: www.leonardo-rodrigues-santos.org ​ Images: Gabin Corredor, Marina Terechov, Dance Theatre Heidelberg, CocoonDance. Política de Privacidade Estamos muito satisfeitos por você ter demonstrado interesse em nossa empresa. A proteção de dados é uma prioridade particularmente elevada para a gestão da Leonardo Rodrigues Santos. A utilização das páginas de Internet do Leonardo Rodrigues Santos é possível sem qualquer indicação de dados pessoais; no entanto, se um titular de dados quiser usar serviços empresariais especiais por meio de nosso site, o processamento de dados pessoais pode ser necessário. Se o processamento de dados pessoais for necessário e não houver base legal para tal processamento, geralmente obtemos o consentimento do titular dos dados. ​ O processamento de dados pessoais, como nome, endereço, endereço de e-mail ou número de telefone de um titular de dados, deve sempre estar de acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) e de acordo com a proteção de dados específica do país regulamentos aplicáveis ao Leonardo Rodrigues Santos. Por meio desta declaração de proteção de dados, nossa empresa gostaria de informar o público em geral sobre a natureza, escopo e finalidade dos dados pessoais que coletamos, usamos e processamos. Além disso, os titulares dos dados são informados, por meio desta declaração de proteção de dados, dos direitos a que têm direito. Como responsável pelo tratamento, o titular Leonardo Rodrigues Santos implementou inúmeras medidas técnicas e organizativas para garantir a mais completa proteção dos dados pessoais tratados através deste website. No entanto, as transmissões de dados baseadas na Internet podem, em princípio, ter falhas de segurança, portanto, a proteção absoluta pode não ser garantida. Por esse motivo, todo titular de dados é livre para transferir dados pessoais para nós por meios alternativos, por ex. por telefone. ​ ​ 1. Definições ​ A declaração de proteção de dados de Leonardo Rodrigues Santos tem por base os termos utilizados pelo legislador europeu para a adoção do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD). Nossa declaração de proteção de dados deve ser legível e compreensível para o público em geral, bem como para nossos clientes e parceiros de negócios. Para garantir isso, gostaríamos de primeiro explicar a terminologia usada. ​ Nesta declaração de proteção de dados, usamos, entre outros, os seguintes termos: ​ a) Dados pessoais Dados pessoais significa qualquer informação relativa a uma pessoa singular identificada ou identificável (“titular dos dados”). É considerada identificável a pessoa singular que possa ser identificada, direta ou indiretamente, designadamente por referência a um identificador como o nome, número de identificação, dados de localização, identificador online ou a um ou mais fatores específicos das condições físicas, fisiológicas, identidade genética, mental, econômica, cultural ou social dessa pessoa física. b) Titular dos dados Titular dos dados é qualquer pessoa singular identificada ou identificável, cujos dados pessoais são tratados pelo responsável pelo tratamento. c) Em processamento Tratamento é qualquer operação ou conjunto de operações realizadas sobre dados pessoais ou conjuntos de dados pessoais, por meios automatizados ou não, tais como coleta, registro, organização, estruturação, armazenamento, adaptação ou alteração, recuperação, consulta, uso, divulgação por transmissão, disseminação ou disponibilização de outra forma, alinhamento ou combinação, restrição, apagamento ou destruição. d) Restrição de processamento A restrição de processamento é a marcação de dados pessoais armazenados com o objetivo de limitar seu processamento no futuro. e) Criação de perfil Profiling significa qualquer forma de processamento automatizado de dados pessoais que consiste no uso de dados pessoais para avaliar certos aspectos pessoais relativos a uma pessoa física, em particular para analisar ou prever aspectos relativos ao desempenho dessa pessoa física no trabalho, situação econômica, saúde, preferências pessoais , interesses, confiabilidade, comportamento, localização ou movimentos. f) pseudonimização A pseudonimização é o processamento de dados pessoais de forma que os dados pessoais não possam mais ser atribuídos a um titular de dados específico sem o uso de informações adicionais, desde que essas informações adicionais sejam mantidas separadamente e estejam sujeitas a medidas técnicas e organizacionais para garantir que os dados pessoais não sejam atribuídos a uma pessoa singular identificada ou identificável. g) Controlador ou controlador responsável pelo processamento Responsável pelo tratamento ou responsável pelo tratamento é a pessoa singular ou coletiva, autoridade pública, agência ou outro organismo que, isoladamente ou em conjunto com outros, determine as finalidades e os meios de tratamento dos dados pessoais; sempre que as finalidades e os meios desse tratamento sejam determinados pela legislação da União ou do Estado-Membro, o responsável pelo tratamento ou os critérios específicos para a sua nomeação podem ser estabelecidos pela legislação da União ou do Estado-Membro. h) Processador Processador é uma pessoa física ou jurídica, autoridade pública, agência ou outro órgão que processa dados pessoais em nome do controlador. i) Destinatário Destinatário é uma pessoa singular ou coletiva, autoridade pública, agência ou outro organismo, a quem são divulgados os dados pessoais, seja terceiro ou não. No entanto, as autoridades públicas que possam receber dados pessoais no âmbito de um determinado inquérito em conformidade com o direito da União ou do Estado-Membro não são consideradas destinatários; o processamento desses dados por essas autoridades públicas deve estar em conformidade com as regras de proteção de dados aplicáveis de acordo com as finalidades do processamento. j) Terceiro Terceiro é uma pessoa física ou jurídica, autoridade pública, agência ou órgão que não seja o titular dos dados, controlador, processador e pessoas que, sob a autoridade direta do controlador ou processador, estão autorizadas a processar dados pessoais. k) Consentimento O consentimento do titular dos dados é qualquer indicação dada livremente, específica, informada e inequívoca da vontade do titular dos dados pela qual ele ou ela, por uma declaração ou por uma ação afirmativa clara, significa consentimento para o processamento de dados pessoais que lhe digam respeito . 2. Nome e endereço do controlador ​ O Controlador para efeitos do Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR), outras leis de proteção de dados aplicáveis nos estados membros da União Europeia e outras disposições relacionadas à proteção de dados é: Leonardo Rodrigues Santos U2, 1A 68161 Heidelberg Alemanha Telefone: +491789302249 E-mail: leonardo.rodrigues.santos.lrs@gmail.com Site: http://www.leonardo-rodrigues-santos.org ​ Imagens: Gabin Corredor, Marina Terechov, Dance Theatre Heidelberg, CocoonDance e obras de arte fornecidas por Wix. ​ ​ 3. Cookies ​ As páginas de Internet do Leonardo Rodrigues Santos utilizam cookies. Cookies são arquivos de texto armazenados em um sistema de computador por meio de um navegador da Internet. Muitos sites e servidores da Internet usam cookies. Muitos cookies contêm o chamado ID de cookie. Um ID de cookie é um identificador exclusivo do cookie. Consiste em uma cadeia de caracteres através da qual as páginas e servidores da Internet podem ser atribuídos ao navegador da Internet específico no qual o cookie foi armazenado. Isso permite que os sites e servidores da Internet visitados diferenciem o navegador individual do titular dos dados de outros navegadores da Internet que contenham outros cookies. Um navegador de Internet específico pode ser reconhecido e identificado usando o ID de cookie exclusivo. ​ Através do uso de cookies, o Leonardo Rodrigues Santos pode fornecer aos usuários deste site serviços mais amigáveis que não seriam possíveis sem a configuração do cookie. Por meio de um cookie, as informações e ofertas em nosso site podem ser otimizadas pensando no usuário. Os cookies nos permitem, como mencionado anteriormente, reconhecer os usuários do nosso site. O objetivo deste reconhecimento é tornar mais fácil para os usuários utilizar nosso site. O usuário do site que usa cookies, por ex. não precisa inserir dados de acesso cada vez que o site é acessado, porque isso é assumido pelo site, e o cookie é armazenado no sistema de computador do usuário. Outro exemplo é o cookie de um carrinho de compras em uma loja online. A loja online lembra os artigos que um cliente colocou no carrinho de compras virtual através de um cookie. ​ O titular dos dados pode, a qualquer momento, impedir a configuração de cookies através do nosso site por meio de uma configuração correspondente do navegador de Internet utilizado, podendo assim negar permanentemente a configuração de cookies. Além disso, os cookies já definidos podem ser excluídos a qualquer momento por meio de um navegador da Internet ou de outros programas de software. Isso é possível em todos os navegadores de Internet populares. Se o titular dos dados desativar a configuração de cookies no navegador de Internet utilizado, nem todas as funções do nosso site podem ser totalmente utilizáveis. ​ ​ 4. Coleta de dados e informações gerais ​ O site da Leonardo Rodrigues Santos coleta uma série de dados e informações gerais quando um titular de dados ou sistema automatizado acessa o site. Esses dados e informações gerais são armazenados nos arquivos de log do servidor. Coletados podem ser (1) os tipos e versões do navegador usados, (2) o sistema operacional usado pelo sistema de acesso, (3) o site a partir do qual um sistema de acesso chega ao nosso site (os chamados referenciadores), (4) o sub -websites, (5) a data e hora de acesso ao site da Internet, (6) um endereço de protocolo da Internet (endereço IP), (7) o provedor de serviços de Internet do sistema de acesso e (8) quaisquer outros dados e informações que podem ser utilizadas em caso de ataques aos nossos sistemas de tecnologia da informação. ​ Ao utilizar estes dados e informações gerais, o Leonardo Rodrigues Santos não tira quaisquer conclusões sobre o titular dos dados. Em vez disso, essas informações são necessárias para (1) fornecer o conteúdo do nosso site corretamente, (2) otimizar o conteúdo do nosso site, bem como seu anúncio, (3) garantir a viabilidade de longo prazo de nossos sistemas de tecnologia da informação e tecnologia do site , e (4) fornecer às autoridades policiais as informações necessárias para processos criminais em caso de ataque cibernético. Assim, o Leonardo Rodrigues Santos analisa estatisticamente os dados e informações recolhidos anonimamente, com o objetivo de aumentar a proteção e segurança de dados da nossa empresa, e assegurar um nível ótimo de proteção dos dados pessoais que tratamos. Os dados anônimos dos arquivos de log do servidor são armazenados separadamente de todos os dados pessoais fornecidos por um titular de dados. ​ ​ 5. Função de comentários no blog no site ​ O Leonardo Rodrigues Santos oferece aos usuários a possibilidade de deixar comentários individuais sobre as contribuições individuais do blog em um blog, que está no site do controlador. Um blog é um portal baseado na web, acessível ao público, através do qual uma ou mais pessoas chamadas blogueiros ou blogueiros da web podem postar artigos ou escrever pensamentos nos chamados blogposts. Postagens de blog geralmente podem ser comentadas por terceiros. ​ Se um titular de dados deixar um comentário no blog publicado neste site, os comentários feitos pelo titular dos dados também são armazenados e publicados, bem como informações sobre a data do comentário e sobre o usuário (pseudônimo) escolhido pelo titular dos dados . Além disso, o endereço IP atribuído pelo provedor de serviços de Internet (ISP) ao titular dos dados também é registrado. Este armazenamento do endereço IP ocorre por razões de segurança, e caso o titular dos dados viole direitos de terceiros, ou publique conteúdos ilegais através de um determinado comentário. O armazenamento destes dados pessoais é, portanto, do próprio interesse do responsável pelo tratamento dos dados, para que este possa exonerar em caso de infração. Esses dados pessoais coletados não serão transmitidos a terceiros, a menos que tal transferência seja exigida por lei ou sirva para a defesa do controlador de dados. ​ ​ 6. Assinatura de comentários no blog no site ​ Os comentários feitos no blog do Leonardo Rodrigues Santos podem ser subscritos por terceiros. Em particular, existe a possibilidade de um comentarista assinar os comentários após seus comentários em uma postagem de blog específica. Se um titular dos dados decidir subscrever a opção, o responsável pelo tratamento enviará um e-mail de confirmação automática para verificar o procedimento de dupla aceitação para saber se o titular do endereço de e-mail especificado decidiu a favor desta opção. A opção de subscrever comentários pode ser encerrada a qualquer momento. ​ ​ 7. Apagamento rotineiro e bloqueio de dados pessoais ​ O controlador de dados deve processar e armazenar os dados pessoais do titular dos dados apenas pelo período necessário para atingir a finalidade do armazenamento, ou na medida em que isso seja concedido pelo legislador europeu ou outros legisladores em leis ou regulamentos aos quais o controlador está sujeito para. Se a finalidade de armazenamento não for aplicável, ou se expirar um período de armazenamento prescrito pelo legislador europeu ou outro legislador competente, os dados pessoais são rotineiramente bloqueados ou apagados de acordo com os requisitos legais. 8. Direitos do titular dos dados a) Direito de confirmação Cada titular de dados terá o direito concedido pelo legislador europeu de obter do responsável pelo tratamento a confirmação se os dados pessoais que lhe digam respeito estão ou não a ser tratados. Se um titular de dados desejar valer-se desse direito de confirmação, ele ou ela poderá, a qualquer momento, entrar em contato com qualquer funcionário do controlador. b) Direito de acesso Cada titular de dados terá o direito concedido pelo legislador europeu de obter do controlador informações gratuitas sobre seus dados pessoais armazenados a qualquer momento e uma cópia dessas informações. Além disso, as diretivas e regulamentos europeus concedem ao titular dos dados acesso às seguintes informações: as finalidades do tratamento; as categorias de dados pessoais em questão; os destinatários ou categorias de destinatários a quem os dados pessoais foram ou serão divulgados, em particular destinatários em países terceiros ou organizações internacionais; sempre que possível, o período previsto para a conservação dos dados pessoais ou, caso não seja possível, os critérios utilizados para determinar esse período; a existência do direito de solicitar ao responsável pelo tratamento a retificação ou apagamento dos dados pessoais, ou a limitação do tratamento dos dados pessoais relativos ao titular dos dados, ou de se opor a esse tratamento; a existência do direito de reclamação junto de uma autoridade de controlo; sempre que os dados pessoais não sejam recolhidos junto do titular dos dados, qualquer informação disponível quanto à sua origem; a existência de tomadas de decisão automatizadas, incluindo a criação de perfis, referidas no artigo 22.º, n.ºs 1 e 4, do RGPD e, pelo menos nesses casos, informações significativas sobre a lógica envolvida, bem como o significado e as consequências previstas tal processamento para o titular dos dados. Além disso, o titular dos dados terá o direito de obter informações sobre se os dados pessoais são transferidos para um país terceiro ou para uma organização internacional. Nesse caso, o titular dos dados terá o direito de ser informado sobre as garantias adequadas relativas à transferência. Se um titular de dados desejar fazer uso desse direito de acesso, ele ou ela pode, a qualquer momento, entrar em contato com qualquer funcionário do controlador. c) Direito à retificação Cada titular dos dados terá o direito concedido pelo legislador europeu de obter do responsável pelo tratamento, sem demora injustificada, a retificação dos dados pessoais inexatos que lhe digam respeito. Atendendo às finalidades do tratamento, o titular dos dados tem direito a que os dados pessoais incompletos sejam completados, inclusive mediante a prestação de declaração complementar. Caso o titular dos dados pretenda exercer este direito de retificação, poderá, a qualquer momento, contactar qualquer funcionário do responsável pelo tratamento. d) Direito ao apagamento (Direito ao esquecimento) Cada titular de dados terá o direito conferido pelo legislador europeu de obter do responsável pelo tratamento o apagamento dos dados pessoais que lhe digam respeito sem demora injustificada, devendo o responsável pelo tratamento proceder ao apagamento dos dados pessoais sem demora injustificada sempre que se verifique um dos seguintes motivos aplica-se, desde que o tratamento não seja necessário: Os dados pessoais já não são necessários relativamente às finalidades para as quais foram recolhidos ou de outra forma tratados. O titular dos dados retira o consentimento no qual o tratamento se baseia nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6.º do RGPD, ou da alínea a) do n.º 2 do artigo 9.º do RGPD, e quando não exista outro fundamento legal para o processamento. O titular dos dados se opõe ao tratamento nos termos do artigo 21.º, n.º 1, do RGPD e não existem motivos legítimos imperiosos para o tratamento, ou o titular dos dados se opõe ao tratamento nos termos do artigo 21.º, n.º 2, do RGPD. Os dados pessoais foram processados ilegalmente. Os dados pessoais devem ser apagados para cumprimento de uma obrigação legal na legislação da União ou do Estado-Membro a que o responsável pelo tratamento esteja sujeito. Os dados pessoais foram recolhidos no âmbito da oferta de serviços da sociedade da informação a que se refere o artigo 8.º, n.º 1, do RGPD. Caso se aplique um dos motivos acima referidos, e o titular dos dados pretenda solicitar o apagamento dos dados pessoais armazenados pelo Leonardo Rodrigues Santos, poderá, a qualquer momento, contactar qualquer funcionário do responsável pelo tratamento. Um funcionário de Leonardo Rodrigues Santos deverá providenciar prontamente para que o pedido de apagamento seja atendido imediatamente. Caso o responsável pelo tratamento tenha tornado públicos os dados pessoais e seja obrigado, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, a apagá-los, o responsável pelo tratamento, tendo em conta a tecnologia disponível e o custo da sua implementação, deve tomar medidas razoáveis, incluindo medidas técnicas, para informar outros controladores que processam os dados pessoais que o titular dos dados solicitou apagamento por tais controladores de quaisquer links para, ou cópia ou replicação desses dados pessoais, na medida em que o processamento não seja necessário. Um funcionário do Leonardo Rodrigues Santos providenciará as providências necessárias em casos individuais. e) Direito de limitação do tratamento Cada titular de dados terá o direito concedido pelo legislador europeu de obter do controlador a restrição de processamento quando um dos seguintes se aplicar: A exatidão dos dados pessoais é contestada pelo titular dos dados, durante um período que permita ao responsável pelo tratamento verificar a exatidão dos dados pessoais. O tratamento é ilícito e o titular dos dados opõe-se ao apagamento dos dados pessoais e solicita, pelo contrário, a limitação da sua utilização. O responsável pelo tratamento já não necessita dos dados pessoais para efeitos do tratamento, mas são requeridos pelo titular dos dados para a declaração, exercício ou defesa de ações judiciais. O titular dos dados se opôs ao tratamento nos termos do artigo 21.º, n.º 1, do RGPD, enquanto se verifica se os motivos legítimos do responsável pelo tratamento prevalecem sobre os do titular dos dados. Caso se verifique uma das condições acima referidas, e o titular dos dados pretenda solicitar a restrição do tratamento dos dados pessoais armazenados pelo Leonardo Rodrigues Santos, poderá a qualquer momento contactar qualquer funcionário do responsável pelo tratamento. O funcionário da Leonardo Rodrigues Santos providenciará a restrição do processamento. f) Direito à portabilidade dos dados Cada titular de dados terá o direito concedido pelo legislador europeu, de receber os dados pessoais que lhe digam respeito, que foram fornecidos a um controlador, em um formato estruturado, de uso comum e legível por máquina. Ele ou ela terá o direito de transmitir esses dados a outro controlador sem impedimento do controlador a quem os dados pessoais foram fornecidos, desde que o processamento seja baseado no consentimento nos termos do artigo 6.º, n.º 1, alínea a), do do RGPD ou da alínea a) do n.º 2 do artigo 9.º do RGPD, ou de um contrato nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 6.º do RGPD, e o tratamento for efetuado por meios automatizados, desde que o tratamento não é necessário para o desempenho de uma tarefa realizada no interesse público ou no exercício da autoridade oficial investida no controlador. Além disso, ao exercer o seu direito à portabilidade de dados nos termos do artigo 20.º, n.º 1, do RGPD, o titular dos dados terá o direito a que os dados pessoais sejam transmitidos diretamente de um responsável pelo tratamento para outro, sempre que tecnicamente viável e quando tal não prejudicar os direitos e liberdades de terceiros. Para fazer valer o direito à portabilidade dos dados, o titular dos dados pode, a qualquer momento, contactar qualquer colaborador da Leonardo Rodrigues Santos. g) Direito de oposição Cada titular de dados terá o direito conferido pelo legislador europeu de se opor, por motivos relacionados com a sua situação particular, a qualquer momento, ao tratamento dos dados pessoais que lhe digam respeito, o que se baseia nas alíneas (e) ou (f ) do artigo 6.º, n.º 1, do RGPD. Isso também se aplica à criação de perfis com base nessas disposições. A Leonardo Rodrigues Santos deixará de tratar os dados pessoais em caso de oposição, a menos que possamos demonstrar motivos legítimos imperiosos para o tratamento que se sobreponham aos interesses, direitos e liberdades do titular dos dados, ou para a constituição, exercício ou defesa de direitos reivindicações legais. Caso a Leonardo Rodrigues Santos trate dados pessoais para efeitos de marketing direto, o titular dos dados terá o direito de se opor a qualquer momento ao tratamento dos dados pessoais que lhe digam respeito para esse marketing. Isso se aplica à criação de perfis na medida em que esteja relacionada a esse marketing direto. Se o titular dos dados se opuser ao Leonardo Rodrigues Santos ao tratamento para efeitos de marketing direto, o Leonardo Rodrigues Santos deixará de tratar os dados pessoais para esses fins. Adicionalmente, o titular dos dados tem o direito, por motivos relacionados com a sua situação particular, a opor-se ao tratamento dos dados pessoais que lhe digam respeito por Leonardo Rodrigues Santos para fins de investigação científica ou histórica, ou para fins estatísticos nos termos do artigo 89.º, n.º 1, do RGPD, exceto se o tratamento for necessário para a execução de uma tarefa realizada por motivos de interesse público. Para exercer o direito de oposição, o titular dos dados pode contactar qualquer colaborador da Leonardo Rodrigues Santos. Além disso, o titular dos dados é livre, no contexto da utilização dos serviços da sociedade da informação, e sem prejuízo da Diretiva 2002/58/CE, de exercer o seu direito de oposição por meios automatizados utilizando especificações técnicas. h) Tomada de decisão individual automatizada, incluindo criação de perfis Cada titular de dados terá o direito concedido pelo legislador europeu de não ficar sujeito a uma decisão baseada apenas no processamento automatizado, incluindo a definição de perfis, que produza efeitos jurídicos sobre ele ou ela, ou o afete significativamente de forma semelhante, desde que a decisão (1) não é necessário para a celebração ou execução de um contrato entre o titular dos dados e um controlador de dados, ou (2) não é autorizado pela legislação da União ou do Estado-Membro a que o controlador está sujeito e que também estabelece estabelece medidas adequadas para salvaguardar os direitos e liberdades e interesses legítimos do titular dos dados, ou (3) não se baseia no consentimento explícito do titular dos dados. Se a decisão (1) for necessária para a celebração ou execução de um contrato entre o titular dos dados e um responsável pelo tratamento de dados, ou (2) se basear no consentimento explícito do titular dos dados, o Leonardo Rodrigues Santos tomará as medidas adequadas salvaguardar os direitos e liberdades e os interesses legítimos do titular dos dados, pelo menos o direito de obter intervenção humana por parte do responsável pelo tratamento, de expressar o seu ponto de vista e contestar a decisão. Caso o titular dos dados pretenda exercer os direitos relativos à tomada de decisão individual automatizada, poderá, a qualquer momento, contactar qualquer colaborador da Leonardo Rodrigues Santos. i) Direito de retirar o consentimento de proteção de dados Cada titular de dados terá o direito concedido pelo legislador europeu de retirar seu consentimento para o processamento de seus dados pessoais a qualquer momento. Caso o titular dos dados pretenda exercer o direito de retirar o consentimento, poderá, a qualquer momento, contactar qualquer colaborador da Leonardo Rodrigues Santos. ​ ​ 9. Disposições de proteção de dados sobre o aplicativo e uso do Facebook ​ Neste site, o controlador integrou componentes do Facebook corporativo. O Facebook é uma rede social. Uma rede social é um local de encontros sociais na Internet, uma comunidade online, que geralmente permite que os usuários se comuniquem e interajam em um espaço virtual. Uma rede social pode servir como uma plataforma para a troca de opiniões e experiências, ou permitir que a comunidade da Internet forneça informações pessoais ou relacionadas a negócios. O Facebook permite que os usuários de redes sociais incluam a criação de perfis privados, upload de fotos e rede por meio de solicitações de amizade. A empresa operadora do Facebook é a Facebook, Inc., 1 Hacker Way, Menlo Park, CA 94025, Estados Unidos. Se uma pessoa mora fora dos Estados Unidos ou Canadá, o controlador é o Facebook Ireland Ltd., 4 Grand Canal Square, Grand Canal Harbour, Dublin 2, Irlanda. ​ Com cada chamada para uma das páginas individuais deste site da Internet, que é operado pelo controlador e no qual um componente do Facebook (plug-ins do Facebook) foi integrado, o navegador da web no sistema de tecnologia da informação do titular dos dados é automaticamente solicitado a baixar a exibição do componente do Facebook correspondente do Facebook por meio do componente do Facebook. Uma visão geral de todos os plug-ins do Facebook pode ser acessada em https://developers.facebook.com/docs/plugins/. No decorrer deste procedimento técnico, o Facebook toma conhecimento de qual subsite específico do nosso site foi visitado pelo titular dos dados. ​ Se o titular dos dados estiver conectado ao mesmo tempo no Facebook, o Facebook detecta a cada chamada para nosso site pelo titular dos dados - e durante toda a duração de sua permanência em nosso site da Internet - qual subsite específico de nosso Internet página foi visitada pelo titular dos dados. Esta informação é recolhida através da componente do Facebook e associada à respetiva conta de Facebook do titular dos dados. Se o titular dos dados clicar num dos botões do Facebook integrados no nosso website, p. o botão "Curtir" ou se o titular dos dados enviar um comentário, o Facebook corresponderá essas informações à conta de usuário pessoal do Facebook do titular dos dados e armazenará os dados pessoais. ​ O Facebook recebe sempre, através da componente do Facebook, informação sobre uma visita ao nosso website por parte do titular dos dados, sempre que o titular dos dados esteja logado ao mesmo tempo no Facebook durante o momento da chamada ao nosso website. Isso ocorre independentemente de o titular dos dados clicar ou não no componente do Facebook. Se tal transmissão de informações para o Facebook não for desejável para o titular dos dados, ele ou ela pode impedir isso fazendo logoff de sua conta do Facebook antes de fazer uma chamada para nosso site. ​ A diretriz de proteção de dados publicada pelo Facebook, disponível em https://facebook.com/about/privacy/, fornece informações sobre a coleta, processamento e uso de dados pessoais pelo Facebook. Além disso, são explicadas as opções de configuração que o Facebook oferece para proteger a privacidade do titular dos dados. Além disso, são disponibilizadas diferentes opções de configuração para permitir a eliminação da transmissão de dados para o Facebook. Estas aplicações podem ser utilizadas pelo titular dos dados para eliminar uma transmissão de dados para o Facebook. ​ ​ 10. Disposições de proteção de dados sobre o aplicativo e uso do Instagram ​ Neste site, o controlador integrou componentes do serviço Instagram. O Instagram é um serviço que pode ser qualificado como plataforma audiovisual, que permite aos usuários compartilhar fotos e vídeos, bem como divulgar tais dados em outras redes sociais. ​ A empresa operadora dos serviços oferecidos pelo Instagram é a Facebook Ireland Ltd., 4 Grand Canal Square, Grand Canal Harbour, Dublin 2 Ireland. ​ A cada chamada para uma das páginas individuais deste site da Internet, que é operado pelo controlador e no qual um componente do Instagram (botão Insta) foi integrado, o navegador da Internet no sistema de tecnologia da informação do titular dos dados é solicitado automaticamente ao download de uma exibição do componente Instagram correspondente do Instagram. Durante este procedimento técnico, o Instagram toma conhecimento de qual subpágina específica do nosso site foi visitada pelo titular dos dados. ​ Se o titular dos dados estiver conectado ao mesmo tempo no Instagram, o Instagram detecta a cada chamada para nosso site pelo titular dos dados - e durante toda a duração de sua permanência em nosso site da Internet - qual subpágina específica de nossa Internet página foi visitada pelo titular dos dados. Esta informação é recolhida através da componente Instagram e está associada à respetiva conta Instagram do titular dos dados. Se o titular dos dados clicar em um dos botões do Instagram integrados em nosso site, o Instagram corresponderá essas informações à conta de usuário pessoal do Instagram do titular dos dados e armazenará os dados pessoais. ​ O Instagram recebe informações por meio do componente Instagram de que o titular dos dados visitou nosso site, desde que o titular dos dados esteja conectado no Instagram no momento da chamada para nosso site. Isso ocorre independentemente de a pessoa clicar no botão do Instagram ou não. Se tal transmissão de informações para o Instagram não for desejável para o titular dos dados, ele ou ela pode evitar isso fazendo logoff de sua conta do Instagram antes de fazer uma chamada para nosso site. Mais informações e as disposições de proteção de dados aplicáveis do Instagram podem ser obtidas em https://help.instagram.com/155833707900388 e https://www.instagram.com/about/legal/privacy/. ​ ​ 11. Base legal para o processamento ​ Arte. 6(1) lit. um GDPR serve como base legal para operações de processamento para as quais obtemos consentimento para uma finalidade de processamento específica. Se o tratamento de dados pessoais for necessário para a execução de um contrato no qual o titular dos dados seja parte, como é o caso, por exemplo, quando as operações de tratamento são necessárias para o fornecimento de bens ou para a prestação de qualquer outro serviço, o tratamento é com base no Artigo 6(1) lit. b RGPD. O mesmo se aplica às operações de processamento necessárias para a execução de medidas pré-contratuais, por exemplo, no caso de consultas sobre nossos produtos ou serviços. A nossa empresa está sujeita a uma obrigação legal pela qual o tratamento de dados pessoais é necessário, tal como para o cumprimento de obrigações fiscais, o tratamento é baseado no art. 6(1) lit. RGPD. Em casos raros, o tratamento de dados pessoais pode ser necessário para proteger os interesses vitais do titular dos dados ou de outra pessoa singular. Este seria o caso, por exemplo, se um visitante fosse ferido em nossa empresa e seu nome, idade, dados do seguro de saúde ou outras informações vitais tivessem que ser repassados a um médico, hospital ou outro terceiro. Então o processamento seria baseado no art. 6(1) lit. d RGPD. Por último, as operações de tratamento podem basear-se no artigo 6.º, n.º 1, lit. RGPD. Esta base legal é utilizada para operações de tratamento que não se enquadrem em nenhum dos fundamentos legais acima referidos, se o tratamento for necessário para efeito dos interesses legítimos prosseguidos pela nossa empresa ou por terceiros, exceto quando tais interesses se sobrepõem aos interesses ou direitos e liberdades fundamentais do titular dos dados que exijam proteção de dados pessoais. Tais operações de processamento são particularmente permitidas porque foram especificamente mencionadas pelo legislador europeu. Ele considerou que um interesse legítimo pode ser assumido se o titular dos dados for um cliente do controlador (considerando 47, frase 2 GDPR). ​ ​ 12. Os interesses legítimos prosseguidos pelo responsável pelo tratamento ou por um terceiro ​ Quando o processamento de dados pessoais for baseado no Artigo 6(1) lit. f GDPR nosso interesse legítimo é conduzir nossos negócios em prol do bem-estar de todos os nossos funcionários e acionistas. ​ ​ 13. Período durante o qual os dados pessoais serão armazenados ​ O critério utilizado para determinar o prazo de conservação dos dados pessoais é o respetivo prazo legal de conservação. Após o término desse período, os dados correspondentes são excluídos rotineiramente, desde que não sejam mais necessários para o cumprimento do contrato ou o início de um contrato. ​ ​ 14. Fornecimento de dados pessoais por exigência estatutária ou contratual; Requisito necessário para celebrar um contrato; Obrigação do titular dos dados de fornecer os dados pessoais; possíveis consequências do não fornecimento de tais dados ​ Esclarecemos que o fornecimento de dados pessoais é parcialmente exigido por lei (por exemplo, regulamentos fiscais) ou também pode resultar de disposições contratuais (por exemplo, informações sobre o parceiro contratual). Às vezes pode ser necessário celebrar um contrato que o titular dos dados nos forneça dados pessoais, que posteriormente devem ser processados por nós. O titular dos dados é, por exemplo, obrigado a fornecer-nos dados pessoais quando a nossa empresa celebra um contrato com ele. O não fornecimento dos dados pessoais teria como consequência a impossibilidade de celebração do contrato com o titular dos dados. Antes de os dados pessoais serem fornecidos pelo titular dos dados, o titular dos dados deve entrar em contato com qualquer funcionário. O funcionário esclarece ao titular dos dados se o fornecimento dos dados pessoais é exigido por lei ou contrato ou é necessário para a celebração do contrato, se existe uma obrigação de fornecer os dados pessoais e as consequências do não fornecimento dos dados pessoais dados. ​ ​ 15. Existência de tomada de decisão automatizada ​ Como uma empresa responsável, não usamos a tomada de decisão automática ou criação de perfis. Desenvolvido por especialistas para LegalTech em Willing & Able que também desenvolveu o sistema para treinamento dpo . Os textos legais contidos em nosso gerador de política de privacidade foram fornecidos e publicados por Prof. Dr. h.c. Heiko Jonny Maniero da Associação Alemã de Proteção de Dados e Christian Solmecke da lei WBS.

  • Oficina de Dança | Leonardo Rodrigues

    Um ritual de empatia O workshop „A Ritual of Empathy“ é elaborado como uma prática guiada de movimento de improvisação. O treino visa reforçar os sentidos do corpo, e evolui acompanhando o grupo de participantes. A ideia é deixar que a intuição seja o mecanismo para conduzir os movimentos. No que diz respeito à estética, buscamos um corpo maleável, capaz de mudar, transformar e ter capacidade de comunicação. Foto: @Building-Actions em Heidelberg Practice Na oficina de dança „A Ritual of Empathy“, Leonardo orienta os participantes através de uma prática de improvisação. Estes três dias de treino visam reforçar a informação sensorial do participante. A ideia é potencializar a intuição, deixando corpo e mente trabalharem no mesmo nível. Dessa forma, espero que você possa elaborar seus conceitos sobre limites no contexto do espaço individual e coletivo. Conceito O que está contido no corpo além do que podemos ver e conhecer? Partindo dessa questão, jogamos com o território, movimentos, expressões, desejos e sonhos do corpo material e imaterial. Interagimos através do toque, explorando o corpo, observando como nos relacionamos uns com os outros e usando a dança para revelar as camadas invisíveis do corpo. A aula fornecerá tarefas geradas como uma prática ritualística usando métodos de visualização e trabalho sensorial. Provocaremos o corpo a liberar experiências armazenadas, potencializando desejos e vontades através do movimento. Foto: @Building-Actions em Heidelberg Mirar Os participantes trabalham em seus atributos de presença corporal e confiança envolvendo o mais alto nível de expressão. Estética A estética do movimento pode variar de acordo com as linguagens corporais e necessidades dos participantes. Enfim, a oficina se baseia na fluidez. Movimentos maleáveis e passíveis de mudança. Vamos juntos buscar um corpo flexível e firme, permeável, macio e consistente.

  • Entrevistas | Leonardo Rodrigues

    Território do corpo entrevistas Esta seção contém três entrevistas destinadas a ouvir artistas distintos elaborando ideias sobre o Território do Corpo. Começando a entrevista pedindo seus primeiros pensamentos quando ouvem as palavras Corpo Território, surgem conceitos muito diferentes, desde perspectivas femininas pós-humanísticas e fluidas até contextos sócio-culturais. ​ Não estou tentando elaborar uma pesquisa científica. Em vez disso, quero oferecer a possibilidade de abrir espaço para investigações que ainda podem ir além das construções sociais do corpo. Como seria possível imaginar os territórios do corpo sem um exame minucioso do que é o corpo? Qual é a sua extensão, as suas transformações, e como é percebido e afetado e afetando o entorno? Por esse motivo, essas entrevistas focam pessoas que têm o corpo como foco principal de seu trabalho. ​ Ainda estou longe de obter todas as respostas com essas entrevistas. Esses três exemplos não falarão por todos. Não posso generalizar "a cor da pele das pessoas, formas corporais, habilidades, características e sexo/gênero" (R. Longhurst) (translated). Mas posso abordar o tema do território corporal de diferentes ângulos e compartilhar questões profundas e reflexões sobre nosso próprio corpo, o corpo do outro e os corpos em nosso ambiente. Conheça os entrevistados Body Slime Metaphor Pêdra Costa Pêdra Costa, a groundbreaking, formative Brazilian visual and urban Anthropologist, Performer and Tarot Reader based in Berlin, in an interview under the theme Body Territory, opens our senses to perceive a “nature call,” emphasizing the importance of new spaces in arts with a focus on dance. In-Habit-Body Amna Mawaz In an interview focused on the perspective of Body Territory, Amna´s Mawaz, appointed choreographer from the Pakistan National Council of the Arts, author and performance director, discusses complex ideas about the Body and its transformation. The Mind/Body Dualism Rzouga Selmi In the third interview on Body Territory, Rzouga Selmi, aka Shayama AlQueer, a Tunesian Queer Refugee, Activist, Dragqueen, and DJ, reveals their perspective on body boundaries and their cultural narrative. Pedra, Anna e Rzouga têm consciência da transformação de seus corpos por meio da mobilidade nos espaços geográficos e de como constroem seus corpos como artistas em diálogo com seu público. Essas entrevistas intrigantes abrem possibilidades para desenvolver a noção de limites corporais. Leonardo Rodrigues Santos Educadora de dança, performer e pesquisadora residente em Mannheim. Correspondência Gefördert durch die Beauftragte der Bundesregierung für Kultur und Medien im Programm NEUSTART KULTUR, Hilfsprogramm DIS-TANZEN des DachverbandTanz Deutschland.

  • Território do Corpo - Prática | Leonardo Rodrigues

    Território do Corpo - Praticando o Ato Dançando de Dançar Juntos O projeto mantém um diálogo com outros profissionais e curiosos da dança. Observar e ouvir outros corpos e sua relação com o tema é fundamental para evoluir a prática. A intenção não é retratar histórias de ninguém, mas buscar pontos em comum e estreitar relações. Nesse local, podemos criar uma ponte imaginária, um receptáculo para revelar assuntos ocultos por trás de nossos preconceitos ou ainda não descobertos. Expansões de bordas de imagens Fotografia - uma colaboração com Marina Therechov Como quase todo mundo, não tenho plena consciência de como pareço para os outros enquanto penso, sinto e falo. Então, sou cauteloso com todas essas ações, que restringem minhas emoções a um corpo restrito. ​ ​ A fotógrafa Marina Therechov e o dançarino Leonardo Rodrigues mergulharam em uma ação fotográfica performática onde os fluidos de um corpo humano abrem a possibilidade de intensos estados emocionais. De um estúdio fotográfico em Mannheim, os artistas examinam como o performer pode fortalecer a capacidade do movimento do corpo de se expandir no espaço. . Expansões Foto: Marina Therechov Perspectivas sobre o território do corpo entrevistas Leia conversas com artistas notáveis falando sobre suas perspectivas sobre o Território do Corpo. Três pessoas com muito em comum, pessoas de cor, apaixonadas pelo que fazem como artistas, migrantes na Alemanha e gênero fluido, as entrevistadas falam sobre seus corpos, conflitos e desejos de maneiras particularmente curiosas. entrevistas Gefördert durch die Beauftragte der Bundesregierung für Kultur und Medien im Programm NEUSTART KULTUR, Hilfsprogramm DIS-TANZEN des DachverbandTanz Deutschland.

  • Amna | LRS | Body Territory

    Habitar.Corpo "Os Corpos como são, e como são afetados pelo tempo" Uma entrevista com Amna Mawaz sobre o tema Body Territory - 28 de março de 2023 Amna Mawaz, uma coreógrafa nomeada do Conselho Nacional de Artes do Paquistão, autora e diretora de performance residente em Heidelberg, no sul da Alemanha, discute ideias complexas sobre o corpo e sua transformação. A partir de uma fluida perspectiva feminina, mãe de uma criança com uma educação rigorosa no Paquistão, Amna mostra diferentes olhares através de sua percepção corporal durante a gravidez e uma educação minuciosa em dança em seu país de origem. Image: Baqir Mehdi Quais são os primeiros pensamentos que vêm à sua mente quando você ouve as palavras Corpo e Território? Quando você disse corpo, de alguma forma, eu o sinto por dentro, embora pareça externo. Então é um lugar possível. É porque sentir é pra mim por dentro. Não sei o que isso significa. Mas quando penso no corpo, estou pensando no corpo no espaço, diretamente no meu corpo, e tenho muita ansiedade em relação ao meu corpo porque dei à luz uma criança; o corpo sopra minha mente. E eu gosto. Mas ainda estou, em certo nível, muito insegura sobre meu corpo. E assim, por dentro estou confortável, e por fora no território, é engraçado, dá-me ansiedade mas ao mesmo tempo dá-me segurança. Para território, acho que significa mais corpos no espaço. Portanto, há muitos corpos, até corpos não humanos. Coisas como plantas, máquinas, todos os corpos. E acho que isso torna algo territorial para mim, eu acho. Território, de alguma forma, sei que há uma sensação de controle e poder quando se trata dessa ideia de território. Acho que de alguma forma, hoje em dia, pensamos nisso como propriedade. Mas eu acho que há uma maneira diferente de fazer isso. Existe uma forma alternativa de estabelecer um território como um espaço compartilhado, algo como um espaço comunitário. ​ ​ O autor Lonhurst inscreveu os corpos das mulheres grávidas como "modos de infiltração". Esses corpos não têm limites e são descritos como "feios e abjetos" na sociedade. Lembro que você tem um filho. Como foi sua experiência? Você pode nos contar sobre as transformações do seu corpo? Então, basicamente, não foi uma gravidez planejada. Foi uma coisa que tomou forma, e percebi que também estava escondido, era muito drama. Mas depois que dei à luz, claro, a barriga ficou enorme. E também, minha cor continuou mudando. Minha cor de pele estava mudando em lugares diferentes, eu acho, por causa dos hormônios. Mas é uma coisa muito estranha que acontece. Não sei. Eu não ouvi falar de muitas pessoas que o têm, mas eu tinha cores diferentes no meu corpo. E aí basicamente depois do parto eles ficaram enormes, tudo muito apertado e grande. E aí no dia seguinte, depois de ter o bebê, eu vejo o meu [...]. Eu olhei para baixo, e meu umbigo tinha ficado tão grande. Era enorme. E tudo estava apenas cedendo. E eu estava dizendo, o que aconteceu? E então, é claro, quando o leite flui, há algo chamado duto de leite entupido. Não sei se é demais para você... [Amna não tinha certeza se a entrevistadora estava confortável em ouvir sobre o líquido escorrendo de seu seio]. Mas aí, quando tem a parada do leite, fica duro e dolorido. Há muita dor e transformação ligada à dor. Então, depois de dois anos, de alguma forma as coisas voltaram a ser como eram. Agora tenho estrias enormes em todos os lugares; então eles foram meio que expandidos e depois contraídos. Eu gosto de estrias em teoria. Eu os acho realmente lindos, mas de alguma forma não consigo possuí-los para mim. Você sabe o que eu quero dizer? É muito estranho. É como eu entendo que as estrias também têm uma coisa tão bonita para elas. Eles são literalmente como um rio fluindo e eles têm sua própria causa então. Mas de alguma forma eu sou muito inseguro sobre eles. Não estou, de alguma forma, não me sinto confortável neles. Quero dizer, eu gosto deles. Mas ainda acho que leva algum tempo, talvez, para me acostumar com eles. Talvez seja apenas dois anos agora. Então, também é a idade, claro. Acho que é a idade e através do tempo tem uma ligação com o espaço. Então o corpo e o território como são, e como são afetados pelo tempo. Também é tão interessante. Proponho que volte às suas memórias. Você pode se reconectar com experiências passadas e compartilhar como essas experiências desencadearam seu corpo e se elas estão conectadas com seu trabalho hoje? Sim. E isso é importante para mim porque, no Paquistão, onde você cresce como homem ou mulher, é muito policiado. Então, em público tem que estar consciente do seu corpo. E isso demorei muito para me reconhecer porque eu sempre estive aqui a vida toda. Mesmo que eu estivesse treinando na forma de dança clássica. Mesmo naquela forma clássica, porque era tão policiado em termos de linha de linhas, sabe, tudo é geométrico, o pescoço, tudo tem que ficar justo e não pode ter curvas, sabe. O treinamento que tive foi muito estimulante para como mover meu corpo. Comecei a treinar por volta dos 11 anos e continuei com o mesmo professor até os 23 ou algo assim. Então toda a minha puberdade, digamos assim, foi moldada com muitas linhas duras. Mas o que me afetou foi que desempenhei um papel neste filme há dois anos, e o papel era de uma mulher que uma comunidade de pessoas trans criou. Você já ouviu falar devido ao fato de que o tipo de comunidade transgênero do sul da Ásia “Khawaja sira”? Então, basicamente, foi um filme interessante porque foi como um tiroteio de guerrilha. Então eu estava praticamente travestida. Eu estava interpretando, e era para ser uma mulher que tem que esconder que é uma mulher agindo como uma mulher trans. Não foi em um palco; foi na estrada. Então as pessoas que estavam no dia a dia também eram assim. Levei alguns dias ou mais para mudar a forma como ando. E também o fez em boa sintonia. E então isso me transformou por dentro, como eu me sentia, e meu gênero mudou. Acho que foi libertador porque sempre pensei que o gênero era fluido, mas nunca o incorporei. Eu nunca incorporei isso com meus maneirismos, e então acho que meu trabalho e dança também foram afetados. Porque logo depois disso, me mudei para a Alemanha. E de alguma forma, eu não toquei muito na Alemanha, mas o tempo que eu tenho no estúdio às vezes, quando eu me mudo, de alguma forma estou quebrado desse movimento estilizado anteriormente. E também muito sexista. E então tento ter consciência de que passei por uma fase em que tive essa oportunidade e era totalmente outra pessoa em outro corpo. Acho que isso me afetou. Pensando no corpo como um agente territorial ativo, como você perceberia seu corpo como um território? ou seja quem está mais presente e confortável em um espaço, Amna a performer ou Amna na vida cotidiana? Bem, penso como artista e também, quando estou aqui, o tipo de trabalho político que faço. Eu também acredito que não é o mesmo que uma performance, mas é uma performance porque você está em um espaço, pelo menos para mim. Afinal, venho desse tipo de origem de classe média alta. E quando entro em um espaço, por exemplo, de classe trabalhadora, como uma área, um ambiente onde não tem nada disso, e de alguma forma eu tenho que fazer isso. Eu não estaria mostrando meus braços de forma não conservadora, como o mesmo tipo de estética. Portanto, é muito performativo. E de certa forma, é frustrante. Mas, ao mesmo tempo, também é muito libertador porque você pode romper com certa performatividade que se faz. E, você sabe, como a alta sociedade, como o burguês, também é você meio que quebra isso, l a estética também está quebrada. E acho que também demorei muito. Eu acredito que muito, por exemplo, o eu não artista, eu tenho só por causa da minha situação familiar e todos eles voltam pra cá. Mas tirando isso, minha vida é muito diferente. Minha personificação de quem eu sou mudou muito por causa da jornada política. E, adicionalmente, o artista eu, por exemplo, estou fantasiado, certo? Realmente fantasiado, estou muito consciente de que estou representando algo em uma sociedade onde é visto como muito ruim. Então eu faço questão de estar muito consciente da minha intenção, principalmente quando estou me apresentando publicamente e quando não estou fora dessa função eu sou muito livre. Eu meio que esqueço às vezes que o corpo e a mente são duas coisas diferentes. Mas o problema então é se você estiver em um espaço público, então, novamente, aquela coisa de controlar sua aparência, porque as pessoas vão olhar para mim – Ah, ela não está lá e não está com a cabeça coberta, então ela deve estar disponível, sabe, então é quase sempre uma performance. Talvez eu sinta isso. Sinto que estou em uma essência ou algo assim quando estou neste modo. Eu não danço porque também fico muito estranho, como você, especialmente quando estou me apresentando, fico super estranho, mas também gosto do constrangimento. É como se eu estivesse consciente de que está tudo bem, eu estrago tudo, mas se eu apenas gostar, como faço para usar a porra da superioridade e criar algo com isso? E muitas vezes o que se diz sobre o meu trabalho é que não é estritamente clássico, é assim. Eu sinto que precisa haver esse espaço onde é estranho. Deve ser estranho. Eu gosto do constrangimento. Eu gosto dessa inquietação. E, no entanto, também é executado e gosto de vasculhar esses territórios estranhos onde não há certeza, mas parece certo. Impressão Amna descreve as mudanças de seu corpo grávida em relação à textura, elasticidade e cor. Deve-se notar que essas mudanças biológicas são vistas como desconfortáveis e abjetas. A coreógrafa também revela como a opressão do movimento durante sua adolescência no Paquistão impactou sua vida. Um corpo feminino é constantemente policiado sobre como se move nas ruas e acaba sendo restrito a uma performance de movimento específica. Nesta entrevista, é possível perceber que essas experiências estão habitadas no corpo de Amna até hoje, o que também influencia na forma como ela percebe outros corpos ao seu redor, seja no contexto social que vive na Alemanha ou como ela se apresenta. Saio desta entrevista questionando de forma provocativa: os corpos femininos em transformação ainda são considerados frágeis, ou podem ser um exemplo de resiliência? Bibliografia: ​ Longhurst, Toby. Corpos Explorando Limites de Fluidos. Routlege, 2001. ​ Echeverri, J. A. Território como corpo e território como natureza: diálogo intercultural? Em A. Surrallés & P. García-Hierro (Eds.), A Terra Dentro: Território indígena e a percepção do meio ambiente, Copenhague: IWGIA, 2005. ​ Sara Smith, Nathan W Swanson e Banu Gökarıksel. Território, corpos e fronteiras. Departamento de Geografia, Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, Chapel Hill, NC 27599-3220, EUA, 2015. Rodaway, Paul. Geografias Sensuais, corpo, sentido e lugar. Routledge, 1994. Leonardo Rodrigues Santos Educadora de dança, performer e pesquisadora residente em Mannheim. Por favor, compartilhe seus pensamentos e ideias Correspondência Gefördert durch die Beauftragte der Bundesregierung für Kultur und Medien im Programm NEUSTART KULTUR, Hilfsprogramm DIS-TANZEN des DachverbandTanz Deutschland.

  • Pêdra | LRS | Body Territory

    A Metáfora do Slime Repensando os métodos de viver e atuar Uma entrevista a Pêdra Costa sobre o tema Corpo Território - 30 de abril. 2023 Pêdra Costa, pioneira e formadora antropóloga visual e urbana brasileira, performer e taróloga radicada em Berlim, abre nossos sentidos para perceber um “chamado da natureza”, enfatizando a importância de novos espaços nas artes com foco na dança. “violentamente feliz “ da Björk é a música que eu recomendo que você ouça antes, durante ou após esta primeira entrevista sobre o tema Corpo Território. Quais são os primeiros pensamentos que vêm à sua mente quando você ouve Corpo e território? Tenho muitas imagens porque nossos corpos não estão livres de julgamento e foram alvo de séculos por causa do sistema político e econômico em que vivemos. E por causa disso, os corpos não são iguais. Portanto, não podemos falar de um corpo como o corpo principal ou de um corpo que representa todos os corpos. Você pode falar sobre a representação do órgão mais importante da sociedade. Mas este corpo, por exemplo, não representa você e eu. Não me interessa falar desse corpo pelo tipo de coisa que esse corpo traz – é muita violência; muita exclusão; muita rejeição e muito poder. ​ Se falo do meu corpo como um território. Eu estou nas margens. Eu celebro esse tipo de espaço. Eu não estou no centro. Como uma pessoa queer, não acredito no centro. Então faz sentido para mim estar nas bordas, nas margens, e não no centro. Se você fala sobre território, é a mesma pergunta ao órgão em que situação política e econômica vivemos e que tipo de projeto político. E esse projeto político, eles criam os territórios porque territórios são sobre imaginação, é imaginário. Imaginaram territórios e construíram fronteiras, fronteiras. Então, por exemplo, eles nomearam países. Cada país é uma criação. Eles criam esse tipo de território. Agora eles traçam uma linha, como você vê nos mapas, e este país tem o nome, uma língua principal e uma cultura. Mas para muitas pessoas de muitas comunidades. O território não é sobre as linhas. Não é sobre as fronteiras. É sobre pessoas. É sobre o meio ambiente. Trata-se de chamar - um chamado para estar naquele espaço. ​ Sua última resposta me faz pensar na noção não areolar (indígena) de território. Essas comunidades não usam representações cartográficas para definir áreas ou linhas. O que é esse chamado que você acabou de mencionar? Um chamado é nossa tecnologia ancestral, certo? As comunidades, os grupos. Eles se estabeleceram nesta parte do mundo porque esta parte do mundo lhes dá o que precisam. E criaram e desenvolveram uma relação com o território. Então o território não é só a Terra, mas as diferentes espécies ao redor do ser humano. O ser humano é uma das espécies, não a mais importante. E então, todos vocês querem falar sobre Corpo e Território. Há muita perspectiva. É como o corpo em ou no território. E então estávamos falando sobre os ancestrais. As pessoas que se foram, seus corpos sob a Terra. Os corpos que são o território. Isso fez parte do território? Isso se torna o território. E esses são tipos de chamado de uma forma que viverei em um território onde os corpos de meus ancestrais são o território. Então eu acho que tenho essas três perspectivas: o corpo, o território e o corpo no território. ​ Você poderia refletir sobre as experiências que acionaram seu corpo? Você menciona, por exemplo, a violência. Como esses gatilhos desempenham um papel em seu trabalho hoje? Como eles afetam o seu trabalho? Em minhas criações e obras de arte, a violência não é meu tema principal. Não quero retribuir, digamos, a violência que sofri para distribuir ao público ou a outros. Sei que o que passo é criar, ou quero tentar criar, espaços de conforto. Atualmente, estou trabalhando em duas palavras para minhas criações: minha mentalidade criativa – é reconfortante e não confrontadora. Procuro confortar, dar espaço para reflexão. Agora, esse processo de transformação é moldado em potência porque, como pessoa queer, existem muitos tipos de violência no mundo para pessoas queer como eu. E eu não sou. Eu não quero isso para o meu caminho individual. Não quero dizer que não imprimo meu jeito de ser para os outros. Mas, no meu caso, não quero ficar preso ao trauma. ​ O trauma pode ser uma espécie de prisão interior que pode parar sua vida. Você se torna uma pessoa baseada no trauma banhado na violência. A violência que sofremos decide que tipo de pessoa nos tornaremos. Não quero nenhuma violência ao decidir por mim mesmo o que quero fazer, o que quero ser e o que quero criar. Tornei-me uma taróloga, e minha proposta para o mercado de arte é confortar e não confrontar. E por isso parei um pouco para fazer performances, e estou mais engajado na criação de espaços. Então, neste caso, o meu foco não é tanto o meu corpo, mas está mais relacionado com o território, com este espaço. ​ Você diz que conforto para você tem a ver com um espaço geográfico criado para encontros? Sim. É uma espécie de espaço de autorreflexão, de autoconhecimento. Digamos que a limpeza seja uma espécie de espaço que as pessoas, o público e os visitantes podem sentir. Quero dizer confortável, não é confortável, mas para se sentirem presentes em si mesmos. E não, esperando, esperando, uma espécie de [...] não, como dizem, uma surpresa violenta. Isso é outra coisa; não é esse tipo de violência. ​ Pensei em Björk „Violently Happy“. Nesse caso, sei que minha presença é violentamente feliz. E pode ser violento para alguns tipos de público. Ser feliz é violento para muita gente. E por causa disso, hoje em dia, tento dar um passo atrás e oferecer um espaço onde eles possam se envolver no espaço, mas ficarão sozinhos consigo mesmos e com a obra de arte. E eles têm que reagir apenas consigo mesmos e não exagerar na minha presença neste espaço. ​ Você falou sobre a transformação em seu trabalho e como você transforma a violência que sofreu em conforto para o público. Para que isso aconteça, um corpo deve estar aberto para um circuito de transmissão entre você e o público. Você pensa no corpo como uma entidade permeável? É diferente em cada material se você fala sobre a chuva e a terra. A chuva permeia o solo. Mas se for uma rocha, uma pedra, a chuva não penetrará na rocha, mas fluirá; flui na pele da rocha e da pedra. Mas nunca tem briga, ou eles se integram, e se tornam uma coisa diferente, ou vão fluir na pele de cada ordem. ​ Mas eles não vão lutar [os elementos chuva e pedra], e penso nesse tipo de permeação. Eu estava dizendo isso para me relacionar diretamente com os artistas e o público. Às vezes, o público é como uma rocha, como uma pedra. Eles não deixam nenhuma chuva passar por eles. E algumas pessoas na platéia são como o solo, como a terra. A experiência do performer no palco perpassa por eles. E eles se tornam outra coisa. Eles se tornam outra coisa. É um bom tópico para falar sobre permeação, por si só. Acho que dá para falar de duas coisas: permeação e permissão. Não há permeação se não houver permissão. Como performers e dançarinos, não podemos guiar um público do ponto A ao ponto B se eles não permitirem ou derem autorização. Então você não tem agência neste caso. Não podemos controlar o público. E então não há permeação. ​ Por que você costuma usar elementos da natureza como metáfora para a relação entre o performer e o público? Sim, nós somos a natureza. Meu ponto de vista é como minhas crenças. Eu gosto que não somos diferentes da natureza. Se eu fosse falar de natureza, estou falando de arte. Algumas pessoas não entendem. O que eles falam hoje em dia é o tema meio ambiente, sustentabilidade, mudanças climáticas e assim por diante. Eles não sabem que são; eles estão apenas reproduzindo essa mentalidade. Não é porque eles estão lutando, de forma política, como ativistas, mas porque eles estão mudando as coisas se não mudarem a si mesmos. Acho que fez sentido trabalhar nisso. Acho que talvez você não mude profundamente a si mesmo. Oh, então nos próximos dois anos. Mas se você passar pelo assunto racionalmente ou apenas intelectualmente, espero que um dia a pessoa mude porque a pessoa vai construir um outro caminho para ela. Mas vemos academicamente, por exemplo, as pessoas falarem sobre pós-colonialismo, pensamentos descoloniais ou práticas anticoloniais. Mas, no final das contas, eles estão apenas reproduzindo o colonialismo. E não é porque você está falando sobre algo que você se torna algo. Uma posição anticolonial no mundo é uma conexão natural com o planeta. E entenda a terra como um organismo, como outro corpo. E é passar por muitos caminhos diferentes que vivemos e acreditamos hoje em dia. Uma posição anti-colonial no mundo é uma posição natural-espiritual. Não há posição anticolonial no mundo sem uma posição espiritual natural. É impossível. ​ Você trabalhou com fluidos na peça Gootopia da coreógrafa vienense Doris Uhrich. Você pode compartilhar suas experiências e descobertas ao trabalhar com esses fluidos específicos? Em todo o processo, por exemplo, quando trabalho em Gootopia com o lodo, tenho no meu dia a dia diferentes tipos de sensações; Eu tenho um tipo de memória; meu corpo tem memórias que vêm à tona; Recebo lembranças de quando estava na barriga da minha mãe, por exemplo. Assim tenho sido, fico mais sensível. ​ Ao mesmo tempo, [no processo de trabalho] você não consegue ficar em pé porque tudo é escorregadio, então se você não pode, tipo, andar. Por exemplo, é esse tipo de processo ter que aprender outro método. Porque então, não estamos sozinhos. Porque, como performer e como dançarino, sou secundário. Eu não sou importante. A estrela da peça, da coreografia, é o slime. Você não trabalha para. Você trabalha com. Trabalhamos com slime. Você tem que se tornar o lodo para trabalhar em conjunto. Você não pode controlar o lodo. É o mesmo tópico que você mencionou uma vez antes. É como a chuva e o solo. O lodo não será mais o lodo porque não estará sozinho. Afinal, o lodo se transforma quando toca nossa pele por causa da química em nossa pele, corpo e lodo. ​ Nos tornamos outra criatura, outra coisa porque estamos em contato com o lodo. Então, por exemplo, os dançarinos que são educados para ter o controle de tudo ficam loucos. Porque eles perdem o controle, se eles tentarem ganhar o controle, se eles tentarem controlar o lodo, eles vão se machucar. Esta é a nossa experiência [referindo-se aos artistas Gootopia]. Então seu fluxo junto com lodo; você não pode controlar o lodo. Portanto, este é o aprendizado mais importante sobre o processo de trabalho com lodo e o processo de Gootopia para mim. É como se você não tivesse controle. É tipo, deixa pra lá. Ir com. Fluir com. Se você entrar no lodo, verá. Precisamos de slime para tudo. Precisamos da água; precisamos de lodo em nossos corpos. Nós sabemos disso. Como se fôssemos lodo. Somos lodo. Você não precisa pensar sobre isso. Teremos que nos perder. Você perde o controle. Você tem que fazer isso. Se não, como tocaremos a inteligência do lodo? Não é possível. O lodo está dentro de você; não há espaços de lodo. Acho que é simples, não? ​ Eu entendo que [o slime] é o protagonista e você [o dançarino] é a voz. Então temos que ir com você e aprender com você, e aprender juntos o que podemos fazer. Mas é claro que custa muita energia. Por causa do nosso corpo cultural, tentamos caminhar; tentamos nos mover conforme nos movemos em nossas vidas diárias. Mas é simplesmente impossível. Temos que ir como quando somos um bebê e andar de maneira diferente. Oh, você terá que andar como um animal. Tudo o que você precisa para deslizar juntos como uma cobra, por exemplo. Você terá que descobrir juntos sobre o lodo que tipo de movimentos você pode fazer para se mudar para o novo planeta de hoje. Você sabe, e esses são pensamentos profundos para nós. Isso é muito, muito lindo. Impressão A Metáfora Slime enfatiza a terminologia do Território, formulando uma relação com o poder político. A entrevista navega em direção a um conceito não antropocêntrico onde o ser humano não é a espécie mais importante. A meu ver, a entrevista propõe um conceito de negociação entre corpos, ora referindo-se à natureza e aos humanos, ora de artistas e público, e ao final, de corpo a corpo ao referir-se à peça „Gootopia“ de Doris Uhrich. Nesta peça, estão presentes dois corpos: os performers e o slime. O slime é o protagonista no palco, sobre os performers. Por causa da presença do lodo, os dançarinos não conseguem controlar totalmente como seus corpos devem se mover e precisam negociar seus movimentos e tomar cuidado para não cair no chão. Eles trabalham no equilíbrio do poder com as substâncias fluidas no palco. Esta metáfora pode tornar-se uma forma de nos apoiar a repensar novas formas de viver juntos? Bibliografia: ​ Longhurst, Toby. Corpos Explorando Limites de Fluidos. Routlege, 2001. ​ Echeverri, J. A. Território como corpo e território como natureza: diálogo intercultural? Em A. Surrallés & P. García-Hierro (Eds.), The Land Within: Território indígena e a percepção do meio ambiente, Copenhague: IWGIA, (2005). ​ Sara Smith, Nathan W Swanson e Banu Gökarıksel. Território, corpos e fronteiras. Departamento de Geografia, Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, Chapel Hill, NC 27599-3220, EUA, 2015. ​ Pollock, Raquel. O corpo da deusa: sabedoria sagrada no mito, na paisagem e na cultura. https://archive.org/details/bodyofgoddesssac0000poll/page/2/mode/2up?view=theater, (1945). Leonardo Rodrigues Santos Educadora de dança, performer e pesquisadora residente em Mannheim. Entre em contato com Leonardo e compartilhe aqui as suas idéias Correspondência Gefördert durch die Beauftragte der Bundesregierung für Kultur und Medien im Programm NEUSTART KULTUR, Hilfsprogramm DIS-TANZEN des DachverbandTanz Deutschland.

  • Margens Expandidas | Leonardo Rodrigues

    Margens Expandidas uma performance fotográfica colaborativa com Marina Therechov As minhas imagens performativas exprimem noções de expansão, derrame e a natureza porosa do corpo. São uma viagem empreendida por um sujeito que anseia por se ligar aos seus desejos, multiplicar-se e estabelecer uma relação profunda com o que o rodeia. Este corpo expande os horizontes, libertando-o dos limites da razão e do pensamento. Derramamento rastreamento e localização do corpo Body territory 097 Body territory Image 2023-05-26 at 21.22.21 Body territory 106 Body territory 276 Body territory 381 ​Os fluidos, a própria essência da vida, percorrem o nosso corpo. Neste projeto, imaginei um sujeito, símbolo da criação e renovação da vida, que experimenta os processos naturais de fuga de líquidos e emoções. Faço alusão à incapacidade de conter estes fluidos que dão vida e as emoções que os acompanham - ao que flui. Sempre em segundo plano, desafio a aversão a este estado natural, frequentemente associado a uma perceção de falta de controle, ordem e força. Margens Corporais os lugares liminares onde a exterioridade e a interioridade dos corpos se fundem Texture 1 Textures 2 texture 3 texture 4 Texture 5 Body territory 308 Body territory 145 Body territory 263 Body territory 024 Body territory 247 Escoando de que maneiras o corpo pode se expander? Gefördert durch die Beauftragte der Bundesregierung für Kultur und Medien im Programm NEUSTART KULTUR, Hilfsprogramm DIS-TANZEN des DachverbandTanz Deutschland.

  • Contact | Leonardo Rodrigues

    Leonardo Rodrigues Santos Educadora de dança, performer e pesquisadora residente em Mannheim. Correspondência

  • Website | Leonardo Rodrigues Santos

    Dança e Pensamento ... é a ideia de que a dança desencadeia pensamentos. Dance for Thought é um site, diário e composição pensado para acolher as criações artísticas de Leonardo Rodrigues Santos. Este arquivo virtual coleta material de pesquisa em dança, ofinas e colaborações no campo da dança. O site é uma forma de criar um banco dinâmico de ideias buscando ressignificar a identidade do artista.

bottom of page